folia na sua casa?

Postado por John 15/03/2018 0 Comentários

País. Desde o dia 23, quando foi apresentado o último balanço, foram mais 83 casos de febre amarela, com 28 óbitos. No geral, entre os dias 1º de julho de 2017 e 30 de janeiro de 2018, os casos de febre amarela somaram 213, com um total de 81 mortes. Ainda de acordo com o órgão, 1.080 casos suspeitos foram analisados – 432 foram descartados e 435 continuam em investigação. São dados, portanto, que assustam e preocupam toda a população.

 

Nesta edição do programa Diálogos na USP, o professor Marcos Boulos, médico infectologista da Faculdade de Medicina da USP e coordenador de Controle de Doenças da Secretaria Estadual da Saúde, e Paulo Saldiva, médico patologista, professor da Faculdade de Medicina da USP e diretor do Instituto de Estudos Avançados (IEA-USP), discutem sobre a febre amarela.

 

Segundo Marcos Boulos, ao contrário do que muitos vêm pensando, a febre urbana continua erradicada, entretanto, a febre silvestre – que mantém o ciclo com macacos – permanece.  Já Paulo Saldiva, que também é colunista da Rádio USP, acrescenta um dado preocupante, o de que o mosquito vetor da febre está encontrando nas cidades condições de proliferação.